Por razões de segurança crítica do seu computador e devido ao elevado risco de "contaminação" por virus (o que é?) e/ou spyware (o que é?),
deveria actualizar de imediato o seu Internet Explorer 6. Recomendamos a versão mais recente (grátis) ou outro browser grátis: Firefox, Opera, Safari ou Chrome.

[X] Esconder esta mensagem.

<br>© Ângela Sánchez 
Sem Título 31, 2022 
Técnica mista sobre papel
52 x 40 cm

Ver

Exposição a decorrer:

Angela Sanchéz

Tu terás a tua aura

de 2022-09-17 a 2022-10-19

Um traço no ar
Em suma, toda abstração responde a uma crença de que o gesto do artista
é um movimento tão natural quanto o do vento ou o de uma espiral de
fumo ou o de um pássaro. Isto é o que permite a Greemberg afirmar que
uma pintura existe em e por si mesma, sem necessidade de se referir à
natureza, sem necessidade de justificar ou argumentar nada, tal como
existe uma árvore e uma nuvem. Óscar Alonso Molina manifestou sobre
esta artista que “não seria exagero dizer que o seu desenho torna visível a
energia oculta que anima a face da natureza”; e assim é. Kandinsky teria
preferido afirmar que representa os movimentos do espírito ou da psique,
tanto faz. Mas há algo mais nesta obra extraordinária, algo que talvez
nunca tenhamos visto: uma evidência.
Com certeza os belíssimos textos do De rerum natura de Lucrécio
publicados no seu Livro para a exposição no MEIAC em 2016 aglutinem o
projeto pictórico — e existencial — de Ángela Sánchez: nada vem do nada;
nada retorna ao nada, demonstra Lucrécio; e cada um dos ciclos pictóricos
desta artista é a crónica desse desdobramento eterno das formas: do
nascimento de um primeiro traço a partir dos restos de algo anterior, da
sua evolução — sistemática — numa extensa sucessão de metamorfoses e
hibridizações, do seu barroquismo por vezes extremo e, finalmente, do
seu surgimento – no sentido literal – numa explosão de caules, folhas,
pistilos, pétalas e flores negras que saturam o espaço e afinal desabam,
criando — literalmente — um buraco negro, como aconteceu na sua série
anterior, de inequívocas conotações sexuais.
As séries de Ángela Sánchez são, de modo literal, a história necessária de
um gesto; a história da sua arte. Na ânsia de concentrar camadas de
tempo, de reciclar e reconstituir, de desenvolver cada possibilidade há
também algo de utopia babélica — o zigurate mesopotâmico, o
antecessor da pirâmide, é aquela construção que se edifica
paulatinamente sobre seus próprios restos, aspirando assim a ser
enciclopédico. Mas na realidade trata-se apenas de deixar que a pintura
seja e assim possa revelar o que tem de força vital — e demonstrar que é
real —, possa sofrer os acidentes da existência e dar — mais uma vez
literalmente — seus frutos. Porque se a obra desta artista ilustra
essencialmente seu próprio futuro, suas vicissitudes, suas surpreendentes
metamorfoses, seu barroquismo e seu colapso, sua peculiaridade consiste

decerto em deixar emergir do informe, do residual uma forma ou, para ser
mais preciso, um símbolo.
A exposição aqui em análise situa-se precisamente entre dois ciclos. Por
um lado, apresenta alguns desenhos relacionados com a sua série
anterior, Terra e tempo (2019), nos quais Sánchez começa a introduzir
outra vez o — ainda — informe; uma série de 2020 dedicada a uma
espécie de esfera primordial com um aspecto vegetal, sobre a qual se
espalham delicados emaranhados, uma mistura de elementos figurativos
— hastes ou ângulos e linhas retas — e abstratos; e, finalmente, as
indiscutíveis obras atuais, nascidas, como mencionado, dos vestígios — ao
mesmo tempo resíduo e essência — desta produção e nas quais ou se
agita e se desintegra incessantemente um espaço sem forma ou limites,
ou gravitam sobre um fundo escuro e algo desfocado umas manchas
poderosas e compactas, vivas. Espetaculares imagens de uma nova
génese; história primitiva de um traço no ar.
Javier Rubio Nomblot

<br>© Ângela Sánchez 
Sem Título 31, 2022 
Técnica mista sobre papel
52 x 40 cm
<br>© Ângela Sánchez 
Sem Título 1, 2022 
Técnica mista sobre papel
90 x 120 cm
<br>© Ângela Sánchez 
Sem Título 14, 2022 
Técnica mista sobre papel
46 x 36 cm
<br>© Ângela Sánchez 
Sem Título 11, 2022 
Técnica mista sobre papel
46 x 36 cm
Anterior • Seguinte

© 2013 Arte Periférica Galeria - Copywrite, todos os direitos reservados

O site encontra-se protegido por direitos de autor. Todos os direitos de autor ou outros direitos de propriedade intelectual presentes no texto, imagens, software, som e outros conteúdos do site são propriedade da Arte Periférica.
Só é permitido utilizar o conteúdo do site para uso pessoal. Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida para venda ou distribuída para ganhos comerciais nem poderá ser modificada ou incorporada em qualquer trabalho, publicação ou site tanto no formato electrónico, como em outros formatos.
Nenhuma licença ou direitos relacionados com o site são concedidos sem a autorização expressa da Arte Periférica.

This site is protected by copyright. All copyright and other intellectual property rights in the text, images, software, audio and other content of the website is property of Arte Periférica.
The use of the site content is allowed for personal use only. No part of this site may be reproduced for sale or distributed for commercial gain nor shall it be modified or incorporated in any work, publication or website either in electronic format or in other formats.
No license or rights relating to the website are provided without the express permission of Arte Periférica. ×