Por razões de segurança crítica do seu computador e devido ao elevado risco de "contaminação" por virus (o que é?) e/ou spyware (o que é?),
deveria actualizar de imediato o seu Internet Explorer 6. Recomendamos a versão mais recente (grátis) ou outro browser grátis: Firefox, Opera, Safari ou Chrome.

[X] Esconder esta mensagem.

<br> MOISÉS DUARTE 
Sem Titulo , 2016  
Acrílico sobre tela 
125 x 170 cm  
©

Ver

Exposição a decorrer:

Moisés Duarte

FLOR ABISMO

de 2017-09-16 a 2017-10-26


 

MOISÉS DUARTE, FLOR ABISMO

O trabalho de Moisés Duarte é morfológico e metamórfico. O movimento do olhar surpreende nestas telas ritmos descontínuos de devir, repartidos entre a progressão sucessiva de manchas de cor e a estabilização momentânea na aparição em primeiro plano do desenho de um ser vegetal. O olhar expande-se no torvelinho de cores e acompanha-o numa grande variedade de movimentos, entre os lentos e etéreos das manchas em certa imagem de breve turvação ondulada de fundo marinho e os que, de densidades irregulares, se mostram em conglomerados de formas disruptivas. A difusão branda de pródigas manchas de cor, de consistência límpida e dispersa, dá lugar noutras telas ao fundo onde acontece o desenho de uma ou de várias plantas. Por vezes, uma flor. Ocorrem-nos algumas narrativas. Cézanne confessara certa vez a Joachim Gasquet que a cor era a única estrada para a transmissão de tudo e que a pintura começa por ser uma óptica. De facto, em algumas destas pinturas, o olhar acompanha o ritmo de fluidez das formas da cor, ritmo flutuante e desamparado de naturezas-mortas (objetos, construções, pedaços, formas simples e complexas…) que decidissem vogar conforme tépidas correntes oceânicas até se lançarem, noutros quadros, num moroso vórtice descendente e dissolutivo, do qual finalmente só restassem a substância das cores como vestígios da inundação da caverna platónica. Noutras, as formas levitam, estilhaçam-se, ascendem em moles e traços, desenvencilham-se dos seus significantes. A cor ocupa o lugar orgânico deixado sobre os restos das coisas arrastadas para a matéria, dissolvidas que foram as suas formas. Cézanne novamente: “A cor é biológica, se posso dizê-lo. A cor está viva, ela basta para as coisas se tornarem vivas”. Nesse cosmos tornado abismo, impera a memória dos arquétipos da anterior ocupação. Primeiro, as plantas. Após o Dilúvio, a pomba trouxe a Noé, à tarde, a novidade de uma folha verde de oliveira. Nestas telas, elas desenham-se entre traços a negro, sombreados ou breves sobreposições de pontilhados, padrões visuais de um possível novo repovoamento da Terra. Entre as referências a folhas, a caules, a estames, a tubérculos nodosos, ao vaso que principia a irradiar a cor, a sépalas e a pétalas, os contornos vão progredindo verticalmente nos fundos opulentos de manchas coloridas. Estas, como nuvens ou como borraduras de aguarela, umas vezes deslizam sobre os traços, outras cobrem-nos parcialmente. Emergindo devagar para o centro da tela, as plantas, em conjunto ou mais frequentemente isoladas em grande plano, reinstauram o sentido da forma. Como imagens, porém, ascendem ao quadro enquanto representações provisórias cuja condição orgânica se mostra na memória dos contornos, evocando a espécie primordial que a morfologia vegetal de Goethe consagrava na Urpflanze, a forma arquetípica de que as telas de Moisés Duarte nos concedem vislumbres variados das fases mais características da sua condição protaica. Das flores de linhas mais precisas, a rosa. A das múltiplas pétalas, a da corola abrigada, a flor do abismo místico. A “coisa completa por excelência, / a si mesmo se contendo totalmente, / e a si mesma infinitamente se difundindo”, segundo versos de Rilke. Contraponto simbólico da deriva colorida que torna as coisas vivas, ela é vestígio despojado da razão, clareza preparatória das visões, ícone no texto da tela remetendo para a essencialidade da vida. A rosa sem porquê do místico Angelus Silesius, existência pura florescendo porque é flor, ou, nas palavras de Manuel Gusmão, experiência percetível da “exasperação / do branco / revérbero do negro / disciplinado delírio / da roseira / vertigem ascendente // rigoroso perfeito / paciente / furor.” No trabalho veemente destes quadros, a rosa, tal como as outras plantas, as restantes flores, os cálices e as sementes, as leves folhas flutuando para os lados dos caules, ascendem do abismo metafísico às dimensões da estrada visível das coisas que se querem vivas, o caminho da transmissão de tudo. Com o júbilo ininterrupto da cor, o encontro da matriz sem porquê de uma feição dinâmica de ocupar o mundo.

Francisco Saraiva Fino

 

<br> MOISÉS DUARTE 
Sem Titulo , 2016  
Acrílico sobre tela 
125 x 170 cm  
©
<br>© MOISÉS DUARTE 
Só a amplitude , 2016  
Acrílico sobre tela 
125 x 170  cm
<br>Moisés Duarte - Le Vol du Navigateur , 2016  - Acrílico sobre tela 
125 x 125 cm  
©
Anterior • Seguinte

© 2013 Arte Periférica Galeria - Copywrite, todos os direitos reservados

O site encontra-se protegido por direitos de autor. Todos os direitos de autor ou outros direitos de propriedade intelectual presentes no texto, imagens, software, som e outros conteúdos do site são propriedade da Arte Periférica.
Só é permitido utilizar o conteúdo do site para uso pessoal. Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida para venda ou distribuída para ganhos comerciais nem poderá ser modificada ou incorporada em qualquer trabalho, publicação ou site tanto no formato electrónico, como em outros formatos.
Nenhuma licença ou direitos relacionados com o site são concedidos sem a autorização expressa da Arte Periférica.

This site is protected by copyright. All copyright and other intellectual property rights in the text, images, software, audio and other content of the website is property of Arte Periférica.
The use of the site content is allowed for personal use only. No part of this site may be reproduced for sale or distributed for commercial gain nor shall it be modified or incorporated in any work, publication or website either in electronic format or in other formats.
No license or rights relating to the website are provided without the express permission of Arte Periférica. ×